15 abril 2015

• Peça Teatral: Gravidez na Adolescência

Criei essa peça teatral abordando o assunto A Gravidez na Adolescência, quem acompanha o blog sabe que gosto de ficar postando as peças que crio, é uma das coisas que mais gosto de fazer, quando não estou atualizando o blog. A peça fala sobre uma menina que engravida e que fica sem coragem de conversar com sua mãe, no entanto, quando pensa que seu namorado vai apoia-la fica completamente chocada com sua reação, até que ele termina o namoro a deixando sem saída, ao dizer tudo para a sua mãe sem a ajuda do seu ex- namorado, do mesmo jeito que seu antigo companheiro a surpreende, sua mãe faz o mesmo e, é ai que tudo começa a complicar. Confiram :) .

Personagens

Bruna

Cristina

Doutora Ana

Luize

Matheus


Roteiro

(Bruna) - Alô? Cristina

(Cristina) - Oi Bruna.

(Bruna) - Amiga tem como você vim aqui em casa? É urgente!

(Cristina) - O que aconteceu Bruna?

(Bruna) - Uma coisa muito grave! Vem pra cá.

(Cristina) - Se acalma, em 5 minutos chego aí!

Narrador: Cristina entra na casa de Bruna, e a encontra debruçada sobre a mesa.

(Cristina) - Oi Bruna, o que houve?

(Bruna) - Cristina estou desesperada.

(Cristina) - O que houve? Ta me deixando nervosa.

Narrador: Bruna respira fundo, e continua debruçada.

(Bruna) - Cristina estou grávida.

(Cristina) - E a sua mãe já está sabendo?

(Bruna) - Não, e nem sei como eu vou dar uma notícia dessa.

(Cristina) - Bruna pelo menos o Matheus tá sabendo?

(Bruna) - Não, eu vou dizer hoje, aproveitar que minha mãe está no trabalho.

Narrador: Cristina pega o seu celular e liga para Matheus.

(Cristina) - Matheus é a Cristina, estou na casa da Bruna, preciso que venha até aqui.

(Matheus) - Aconteceu alguma coisa com a Bruna?

(Cristina) - Sim, aconteceu, vem logo!

(Matheus) - Ok! To chegando aí.

Narrador: Dez minutos mais tarde Matheus chega na casa de Bruna, e encontra ela e Cristina no sofá.

(Matheus) - O que ta acontecendo?

(Cristina) - Bruna tem uma notícia pra te dar, vou deixar vocês a sós.

Narrador: Cristina sai e deixando os dois a sós.

(Matheus) - Bruna você ta doente?

(Bruna) - Matheus eu preciso que me ajude.

(Matheus) - Bruna vá direto ao ponto, o que houve?


(Bruna) - Ok! Matheus lembra daquela festa que nós fomos, e depois da festa ficamos.

(Matheus) - Sim, foi a quatro meses atrás, e dai?

(Bruna) - A gente não se preveniu...

(Matheus) - O que, você quer dizer com isso?

(Bruna) - Eu estou grávida de quatro meses!

Narrador: Matheus fica surpreso com a notícia e não acredita no que Bruna diz.

(Matheus) - Não... Você só pode está de brincadeira. Acho que se enganou.

(Bruna) - Não estou brincando, eu preciso da sua ajuda, para contar pra minha mãe, porque não vai ser nada fácil. Estou usando roupas largas esse tempo todo, para ela não perceber, não criei coragem ainda para dizer tudo pra ela.

(Matheus) - Desculpa Bruna, mas não estou preparado, é muito novo tudo isso pra mim, só irá me atrapalhar. Desculpa.

(Bruna) - Eu sei Matheus, mas aconteceu.

(Matheus) - Sinto muito, mais está tudo acabado entre nós. Não dar mais, Adeus.

(Bruna) - O que? E quanto a criança?

Narrador: Matheus sai e deixa Bruna falando sozinha. Cristina entra logo após a saída de Matheus.

(Bruna) - O que vou fazer agora?

(Cristina) - Bruna vai dar tudo certo, vamos contar tudo pra sua mãe.

(Luize) - O que tem eu? Ai estou morta! Hoje o trabalho tava um caos.

(Bruna) - Descanse, depois precisamos conversar mãe.

(Luize) - O que houve?

(Cristina) - Tia Luize, a Bruna está grávid...

Narrador: Luize não percebe o que Cristina falou e a interrompe.

(Luize) - Hoje vem uma amiga minha, fazer uma pequena palestra, dando algumas dicas para as jovens não fazer a besteira de ter uma gravidez indesejada.

Narrador: Bruna fica surpresa com o que sua mãe diz, e desconfia que ela já saiba da verdade, no entanto, faz uma pergunta.

(Bruna) - A senhora está sabendo de alguma coisa?

(Luize) - Sabendo do que?

(Doutora Ana) - Olá, bom dia.

(Luize) - Ana minha querida, entre.

Narrador: Ana e Luize se abraçam, e Luize aproveita para apresentar sua filha.

(Luize) - Ana essa é a minha filha, Bruna.

(Doutora Ana) - Prazer Bruna.

(Luize) - Essa é Cristina, amiga da minha filha.

(Cristina) - Oi, tudo bem...

(Doutora Ana) - Tudo ótimo.

(Luize) - Ana se sinta a vontade, quando quiser começar é só dizer.

(Doutora Ana) - Tudo bem, vou precisar das meninas para mim ajudar a arrumar algumas coisas em cima da mesa, pode ser?

(Cristina) - Claro.

Narrador: Enquanto as meninas ajudam a Doutora Ana, Luize atende o seu celular.

(Doutora Ana) - Bruna e Cristina, hoje estou aqui para dar umas dicas para vocês, como devem usar os meios de evitar uma gravidez, ou seja os contraceptivos. O Principal objetivo é para que vocês não tenham uma gravidez indesejada, e que não sofram.

(Luize) - Desculpe-me vou ter que dar uma saidinha, recebi um telefonema do trabalho.

(Doutora Ana) - Não tem problema Luize, deixe comigo, antes de eu sair, lhe prometo que vou deixar essas garotas com nenhuma dúvida.

(Luize) - Muito obrigada Ana, te devo uma! Tchau.

(Doutora Ana) - Vamos começar meninas?

Narrador: Depois que Luize saiu, a doutora Ana começou a palestra, falando sobre os primeiros sintomas da gravidez, e como se prevenir. Foi quase uma ho
ra, mas como o prometido não deixou as meninas com nenhuma dúvida sobre o assunto, Bruna e Cristina tiraram todas as suas dúvidas que tinham, e a Doutora Ana conclui.

(Doutora Ana) - Bom é isso.

(Cristina) - Muito obrigada pelas dicas doutora, e principalmente por ter tirado minhas dúvidas.

(Doutora Ana) - Por nada, qualquer coisa me liguem.

Narrador: Depois que a doutora arruma suas coisas, e se despende das garotas ela vai embora.

(Bruna) - Cristina, quando minha mãe chegar vou dizer toda a verdade para ela, não posso esconder mais, uma coisa tão séria.

(Cristina) - Quer ajuda? Eu sei como vai ser complicado, pra falar com ela sobre isso.

(Bruna) - Se pelo menos o Matheus tivesse me apoiado, estaria um pouco mais segura.

(Cristina) - O Matheus é um cafajeste, nunca pensei que ele fosse agir desse modo, até porque você não fez sozinha!

(Bruna) - Minha mãe me dava muitos conselhos a respeito dele, eu sabia que ele não valia nada, só não queria admitir pra mim mesma.

(Cristina) - E se sua mãe não aceitar?

Narrador: Luize chega no meio da conversa, mas não percebe nada, estava muito empolgada para saber como foi a palestra.

(Luize) - Oi meninas , comprei um lanche pra gente. Como foi a palestra? Esclareceram suas dúvidas? Ana é muito legal né? Nós já trabalhamos juntas um tempo no mesmo hospital.

(Cristina) - Foi ótima, a doutora é muito simpática.

(Bruna) - Mãe precisamos conversar e tem que ser agora, é muito sério. Cristina nos deixe a sós, por favor.

(Cristina) - Vou para casa, qualquer coisa liga tá?

Narrador: Cristina vai embora, deixando mãe e filha sozinha.

(Luize) - O que houve? Está se sentindo mal?

(Bruna) - Mãe sei que já me deu vários conselhos, sobre a vida, sobre o Matheus, e eu sei que tudo que a senhora faz é pra me ajudar.

(Luize) - Conclua.

(Bruna) - Mãe não estou me sentindo mal, eu estou grávida de quatro meses, e o pai é o Matheus.

(Luize) - Só pode está de brincadeira, Bruna.

(Bruna) - Infelizmente não estou, eu fiz o teste de gravidez a um mês atrás e deu positivo.

Narrador: Luize fica descontrolado ao saber que Bruna está grávida, segura o braço de Bruna, e começa a gritar.

(Luize) - COMO VOCÊ PÔDE SER TÃO BURRA PRA DEIXAR UMA COISA DESSA ACONTECER, EU TE DEI VÁRIOS CONSELHOS BRUNA, VOCÊ NUNCA ME OBEDECE, AS COISAS SEMPRE TEM QUE SER DO SEU JEITO.

(Bruna) - Desculpa mãe... Foi um descuido nosso, eu não sabia desses métodos.

(Luize) - MENTIROSA, não me diga que aquele idiota do seu namorado, não sabe o que é um preservativo.

(Bruna) - O Matheus não é mais meu namorado, ele terminou.

(Luize) - Como é que é? Além dele te engravidar, vai querer que eu crie essa criança?

(Bruna) - Ele não me quis mais...

(Luize) - Pode arrumar um lugar pra morar, porque não vou criar filho de um vagabundo. FORA DA MINHA CASA, INFELIZ. Não quero mais te ver na minha frente.

(Bruna) - Mãe não faz isso, eu prometo que vou mudar, vou ser mais obediente.

(Luize) - Arrume suas coisas e vá embora, você com essa criança não vai ficar aqui, e nem na casa da Cristina também, você sabe né que a mãe dela não lhe suporta.

(Bruna) - Me desculpa mãe, desculpa...

(Luize) - Vou sair um pouco, é o tempo de você ter ido embora quando eu voltar. Espero que não esteja mais aqui.

Narrador: Luize sai, totalmente decepcionada com sua filha, com a vida, com tudo. E deixa Bruna lá aos prantos.

(Bruna) - Você nem nasceu ainda, e eu te amo tanto, nunca poderia imaginar que ser mãe é tão maravilhoso. É muito bom saber que eu tenho você, nunca vou ter coragem de te abandonar, pra onde quer que você vá, eu vou com você, não consigo ficar sem ti.

Narrador: Bruna vai até a cozinha e pega uma faca.

(Bruna) - Deus sabe que o que estou prestes a fazer é a coisa mais cruel que se existe no mundo, mais infelizmente eu não tenho nenhuma escolha, não quero fazer um aborto, pois não aguentaria ficar sem você, me desculpa filho.

Narrador: Bruna dar uma facada em sua barriga, e o sangue começa a cair por sua roupa.

(Bruna) - EU TE AMO MUITO.

Narrador: Bruna termina dando uma outra facada em seu próprio coração, fazendo com que ela tenha uma morte imediata.


                                                                FIM



Moral da História: Bruna é contra o aborto, não tinha pra onde ir, não tinha nenhuma saída, ficou desesperada com sua situação e não pensou direito, a levando para o fundo do poço, tirando a vida do bebê e a sua, uma história dramática e muito triste.

• Essa peça foi como um conselho para as jovens, que as vezes não pensam direito como tudo pode acontecer, como sua vida pode mudar totalmente com uma gravidez indesejada, quando a gente menos espera já não tem mais volta. No caso de Bruna ela não teve a ajuda de ninguém a não ser da amiga, sua mãe e seu namorado não a aceitaram, pode acontecer isso na vida real. Na maioria dos casos, as mães não tinha conhecimento dos métodos contraceptivos, ou esquecem. Diferentemente de uma gravidez planejada que todos esperam por um bebê, todos estão alegres com sua chegada, é maravilhoso, mas quando não está esperando, as coisas podem complicar. Quero deixar bem claro que não sou contra as meninas que querem engravidar na adolescência, ou que engravidaram, pelo contrário quero que elas e seus bebês sejam muito felizes de verdade. 
Comentários
5 Comentários

5 comentários:

  1. Gostei muito eu acabei de fazer uma com omesmo tema põem o roteiro diferente na minha história a garota morre por conta de um aborto e só assim seus pais ficam sabendo da gravidez

    ResponderExcluir
  2. O que eu procurava para o meu trabalho teatral do TCE

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nossa, obrigada pela preferência, boa sorte ;)

      Excluir